terça-feira, 26 de julho de 2016

Diretor Regional dos Assuntos do Mar defende aumento gradual da geolocalização e observação remota para fiscalização

O Diretor Regional dos Assuntos do Mar defendeu, na Horta, a necessidade de um "aumento gradual” do uso de tecnologias de geolocalização e de observação remota para “aumentar a eficiência" da vigilância e fiscalização em áreas vastas e remotas do Parque Marinho dos Açores.

Filipe Porteiro falava à margem da reunião do Conselho Consultivo do Parque Marinho dos Açores, que analisou temas como a elaboração de um plano para regulamentar os usos das áreas marinhas protegidas, nomeadamente a investigação científica, a pesca, as atividades marítimo turísticas, a prospeção e exploração geológicas, a biotecnologia e a arqueologia subaquática.

“As atividades possíveis de desenvolver no Parque Marinho dos Açores necessitam de adotar regulamentação específica e códigos de conduta que promovam a exploração sustentável dos recursos, em respeito pelos valores ambientais em presença”, frisou Filipe Porteiro, que é também Diretor do Parque Marinho dos Açores.

“Os trabalhos científicos são relativamente intensos em algumas áreas do Parque Marinho, que são frequentemente visitadas por cruzeiros de investigação”, salientou.

O Conselho Consultivo do Parque Marinho dos Açores reuniu na sequência da aprovação na Assembleia Legislativa, por unanimidade, da nova conformação do Parque Marinho dos Açores, que passou a incluir 17 áreas protegidas, tendo o diploma sido publicado em Diário da República a 19 de julho.

O Parque Marinho dos Açores inclui campos hidrotermais de baixa e de grande profundidade, montes submarinos de diferentes tipologias, trechos particulares da Crista Média do Atlântico e áreas superficiais importantes para aves marinhas.

Todas as áreas do Parque Marinho estão para além do Mar Territorial (12 milhas), sendo que algumas estão fora das 200 milhas, já na plataforma continental estendida.

O Conselho Consultivo do Parque Marinho dos Açores é um órgão composto pelo Diretor do Parque e 11 conselheiros, abrangendo entidades regionais com competências nas áreas das pescas, ciência e tecnologia e turismo, e entidades nacionais, como o Departamento Marítimo dos Açores e o Comando Territorial da Guarda Nacional Republicana.

Fazem ainda parte um representante da Universidade dos Açores e um representante do setor associativo das pescas, dois representantes das organizações não-governamentais na área do ambiente e ainda um representante da comunidade científica internacional com trabalho reconhecido na Zona Económica Exclusiva para além das 12 milhas náuticas.

Este Conselho prevê ainda a inclusão de um representante da convenção OSPAR.

Com o objetivo de dar a conhecer e envolver os cidadãos interessados na gestão deste importante instrumento de conservação ambiental marinha, foi proposta a elaboração de uma publicação sobre o Parque Marinho dos Açores que será divulgada junto da população.

O Conselho Consultivo do Parque Marinho dos Açores volta a reunir a 16 de janeiro de 2017.



GaCS

Presidente do Governo anuncia programa para dar formação e apoiar cuidadores informais

O Presidente do Governo dos Açores anunciou hoje a criação de um programa destinado a dar formação aos cuidadores informais, que será ministrado por especialistas em diversas áreas e que tem também o objetivo de “ajudar quem ajuda” pessoas dependentes.

“Vamos, nos próximos tempos, dar início a um programa de formação para cuidadores informais, que arrancará, numa primeira fase, nas ilhas de São Miguel, Terceira, Faial e Pico, composto por vários módulos a ministrar por especialistas em cada uma das áreas, como enfermeiros de reabilitação, assistentes sociais e psicólogos, entre outros”, adiantou Vasco Cordeiro.

O Presidente do Governo falava na apresentação do projeto de construção do Centro Intergeracional dos Arrifes, na ilha de São Miguel, um investimento de cerca de 2,5 milhões de euros, composto pelas valências de Centro de Dia, Centro de Noite e Centro de Atividades de Tempos Livres, cada uma com capacidade para 30 utentes.

Para a sua concretização, que resulta de uma parceria com a Casa do Povo dos Arrifes, no concelho de Ponta Delgada, foi hoje foi publicado o anúncio para escolher a empresa que vai construir este Centro Intergeracional.

Na sua intervenção, Vasco Cordeiro adiantou, ainda, que o programa de formação vai ser, até final do ano, alargado aos colaboradores das instituições que trabalham nos Serviços de Apoio Domiciliário, as quais, sem quaisquer encargos, ficarão, assim, dotadas de recursos humanos melhor habilitados para o cumprimento da sua função.

“Queremos ajudar aqueles que ajudam para que, aqueles que ajudam, possam ajudar cada vez melhor”, assegurou o Presidente do Governo, ao salientar a aposta do Executivo Regional em infraestruturas dirigidas à infância e juventude e à terceira idade, as quais contribuem para o reforço da coesão intergeracional nos Açores.

“Podemos referir, a título de exemplo, que, desde o final de 2012, quando se iniciou esta legislatura, já disponibilizamos 14 infraestruturas dirigidas especificamente às crianças, em ilhas como São Miguel, Santa Maria, Terceira, Graciosa, Faial, Pico ou São Jorge, num investimento público que ascendeu a perto de 14 milhões de euros”, destacou.

Vasco Cordeiro acrescentou que, atualmente, estão a decorrer obras de construção ou de requalificação em cinco creches e dois jardins-de-infância em São Miguel, Faial e Corvo, num investimento total de cerca de 6,5 milhões de euros, e que, em breve, arrancará a construção da primeira fase do Centro Intergeracional de Ponta Garça, em Vila Franca do Campo.

No Dia dos Avós, o Presidente do Governo sublinhou, por outro lado, que o Centro Intergeracional dos Arrifes vai permitir criar condições para que “os mais novos possam usufruir do contacto e dos ensinamentos daqueles que estão numa fase mais adiantada da sua vida”.

“Dessa forma, também cumprimos o objetivo de reforçar a coesão intergeracional na nossa Região”, frisou Vasco Cordeiro.

Anexos:
2016.07.26-PGR-CentroArrifes.mp3

GaCS

Agenda do Governo Regional dos Açores para 27 e 28 de julho

QUARTA-FEIRA, DIA 27:

ATIVIDADES DO PRESIDENTE DO GOVERNO:

15H30 - O Presidente do Governo, Vasco Cordeiro, preside à cerimónia de assinatura com os ministérios dos Negócios Estrangeiros, da Defesa Nacional e do Planeamento e das Infraestruturas do Protocolo de Cooperação com vista à Certificação da Infraestrutura Aeronáutica da Base Aérea n.º4 das Lajes para utilização permanente por aeronaves civis.

Local: Palácio dos Capitães-Generais, em Angra do Heroísmo.

ATIVIDADES DOS OUTROS MEMBROS DO GOVERNO:

11H00 - O Secretário Regional da Saúde, Luís Cabral, está presente na apresentação do projeto de beneficiação do edifício sede da Unidade de Saúde de Ilha das Flores.

Local: Museu e Auditório Municipal de Santa Cruz das Flores, avenida Príncipe do Mónaco.

15H00 - O Secretário Regional da Educação e Cultura, Avelino Meneses, reúne-se com a Direção do Sindicato Democrático dos Professores dos Açores (SDPA).

Local: Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Ponta Delgada.

OUTROS AGENDAMENTOS:

18H30 - O Diretor Regional das Comunidades, Paulo Teves, está presente na apresentação do livro Vertentes das Danças Açorianas – Tradição do Grupo Central de Ilhas.

Local: Biblioteca Pública e Arquivo Regional João José da Graça, na Horta.

QUINTA-FEIRA, DIA 28:

ATIVIDADES DOS MEMBROS DO GOVERNO:

10H30 - O Secretário Regional da Agricultura e Ambiente, Luís Neto Viveiros, preside, em representação do Presidente do Governo, à cerimónia de inauguração do Centro de Interpretação da Infraestrutura Verde Húmida Costeira da Praia da Vitória.

Local: Paul da Pedreira do Cabo da Praia, no Concelho da Praia da Vitória.

14H00 - A Secretária Regional da Solidariedade Social, Andreia Cardoso, preside à cerimónia de assinatura do acordo de colaboração com a Junta de Freguesia de Capelas para a reabilitação de habitações degradadas.

Local: sede da Junta de Freguesia, rua Nossa Senhora da Apresentação, n.º 3, no Concelho de Ponta Delgada.
   
OUTROS AGENDAMENTOS:

09H30 - A Diretora Regional da Juventude, Pilar Damião, está presente na abertura do seminário Desafios do Turismo Jovem: Conversas de (Futuros) Jovens Empreendedores.

Local: Casa dos Botes Baleeiros, porto de Pescas de São Mateus da Calheta, em Angra do Heroísmo.

10H30 - O Diretor Regional do Ambiente, Hernâni Jorge, está presente na inauguração da Casa de Apoio à descida da Caldeira do Faial.

Local de encontro: Miradouro da Caldeira, no Concelho da Horta.



GaCS

Museu da Horta promove roteiro cultural "Da Matriz à Conceição"

A Direção Regional da Cultura, através do Museu da Horta, promove, nos meses de agosto e setembro, a realização do roteiro cultural “Da Matriz à Conceição”.

A iniciativa visa aprofundar o conhecimento sobre a história da cidade da Horta e sensibilizar os participantes para a valorização do património.

Este roteiro, que tem início no Museu da Horta, percorre a zona alta da freguesia da Matriz, Mirante, Ribeira e Calçada da Conceição, terminando no Largo do Bispo D. Alexandre.

Esta atividade realiza-se nas quartas-feiras 3, 10, 17, 24, 31 de agosto e 14 de setembro, e nos sábados 6 e 20 agosto e 3 e 10 de setembro, com início sempre pelas 10H00.

As marcações podem ser efetuadas nas receções do Museu da Horta e Casa Manuel de Arriaga, através do endereço eletrónico museu.horta.info@azores.gov.pt ou do telefone 292 202 576.

As inscrições são limitadas a 10 pessoas por passeio e as condições atmosféricas poderão condicionar a realização da atividade.

A Direção Regional da Cultura informa que este e outros eventos estão disponíveis para consulta na Agenda Cultural do Portal CulturAçores, no endereço eletrónicowww.culturacores.azores.gov.pt.



GaCS

Governo dos Açores apoia famílias na ilha das Flores para a requalificação habitacional

O Governo dos Açores assinou hoje um protocolo de cooperação com a Câmara Municipal das Lajes das Flores e a Cáritas para financiamento de obras de reabilitação em duas habitações onde residem agregados familiares carenciados, designadamente idosos sem capacidade para gerir os apoios e concretizar a execução das obras.

O Executivo Açoriano concede, ao abrigo do programa de apoio à recuperação de habitação degradada, um apoio de cerca de 40 mil euros, enquanto a Câmara Municipal de Lajes das Flores afeta recursos próprios, no valor de cerca de 10 mil euros, designadamente mão-de-obra, maquinaria e alguns materiais de construção, comprometendo-se ainda a colaborar com as famílias beneficiárias na agilização dos procedimentos relacionados com projetos e licenciamentos, cabendo à Cáritas da ilha das Flores assegurar a boa aplicação e a execução das obras previstas, que visam criar as condições mínimas de segurança, higiene e conforto habitacional.

Na cerimónia, o Diretor Regional da Habitação salientou que a celebração de parcerias com instituições públicas e privadas tem sido a via seguida pelo Governo para permitir que, com a mesma afetação de recursos, seja possível chegar a mais famílias e melhorar as suas condições residenciais, contribuindo para recuperar o edificado habitacional e manter as famílias nos seus locais e freguesias de origem.

Estas parcerias são também fundamentais para assegurar a boa aplicação de verbas públicas, tendo Carlos Faias salientado que as verbas envolvidas neste investimento em habitação resultam dos impostos pagos pelos Açorianos.

Nesta legislatura já foram beneficiadas cerca de 550 habitações, com um investimento do Governo dos Açores superior a 2,5 milhões de euros, envolvendo mais de oito dezenas de parceiros, entre municípios, juntas de freguesia e instituições de solidariedade social, entre as quais se destacam as Misericórdias ou as Casas do Povo.

O atual Executivo Regional já investiu, nas diversas modalidades de apoio à habitação, cerca de 900 mil euros nas ilhas do Grupo Ocidental dos Açores, beneficiando uma centena de famílias.

Deste montante, cerca de 85% correspondem a apoios atribuídos a famílias residentes na ilha das Flores.



GaCS

Museu Carlos Machado estreia documentário "Clarissas", de André Laranjinha

A Direção Regional da Cultura, através do Museu Carlos Machado, promove quinta-feira, 28 de julho, pelas 21h30, no 9500 Cineclube, em Ponta Delgada, a estreia do filme documentário "Clarissas", de André Laranjinha.

Este filme, com uma duração de 25 minutos, é uma coprodução Museu Carlos Machado/Alice’s House e integra o projeto de registo do Património Cultural Imaterial do Museu, dando corpo à sua função como lugar de preservação da memória e da identidade micaelense.

Esta curta metragem centra-se no Mosteiro de Nossa Senhora das Mercês, nas Calhetas de Rabo de Peixe, fundado a 2 de janeiro de 1977 por irmãs Clarissas vindas da ilha da Madeira.

O mosteiro terá sido construído a partir da casa e da ermida de Nossa Senhora das Mercês e dos terrenos que foram doados à Igreja por António Medeiros Frazão e Maria Leonor Frazão.

Antes da extinção das ordens religiosas, em 1832, a Ordem de Santa Clara teve um importante papel nos Açores, havendo inúmeros mosteiros e conventos da Ordem Franciscana feminina.

Depois de um século e meio de ausência, a ordem voltou com a criação deste mosteiro, que é agora o único de vida contemplativa e de clausura nos Açores.

Neste mosteiro vivem atualmente oito irmãs em clausura, que dedicam o seu quotidiano à oração e ao trabalho, realizam tarefas domésticas, trabalham na horta e no jardim, tratam dos animais e fazem hóstias para toda a comunidade religiosa católica dos Açores.

A Direção Regional da Cultura informa que este e outros eventos estão disponíveis para consulta na Agenda Cultural do Portal CulturAçores, no endereço eletrónicowww.culturacores.azores.gov.pt.



GaCS

Biblioteca João José da Graça, na Horta, promove exposição de pintura da autoria de Lúcia de Brito Franco

A Direção Regional da Cultura, através da Biblioteca Pública e Arquivo Regional João José da Graça, na Horta, promove sexta-feira, 29 de julho, a abertura da exposição de pintura “Insular”, da autoria de Lúcia de Brito Franco.

Licenciada em Belas-Artes, Lúcia de Brito Franco apresenta nesta exposição diversas obras em que a força da natureza insular e a apreensão do momento presente são os temas dominantes.

Esta mostra pode ser visitada até 23 de setembro na Sala de Exposições da Biblioteca.

A Direção Regional da Cultura informa que este e outros eventos estão disponíveis para consulta na Agenda Cultural do Portal CulturAçores, no endereço eletrónicowww.culturacores.azores.gov.pt.



GaCS

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Bom momento do turismo regional deve ser encarado como ponto de partida para afirmação do destino, afirma Vítor Fraga

O Secretário Regional do Turismo e Transportes afirmou hoje, em Ponta Delgada, que o facto de o setor do turismo viver um novo período de desenvolvimento não deve ser encarado como um ponto de chegada, mas como um ponto de partida para os Açores se destacarem na oferta de turismo a nível global.

“Os indicadores mais recentes continuam a demonstrar que estamos numa trajetória de consolidação que visa a sustentabilidade do setor”, afirmou Vítor Fraga, destacando o crescimento de 36,0% nas dormidas de janeiro a maio de 2016, três vezes superior à média nacional e que injetou diretamente mais cerca de 5,5 milhões de euros na economia regional.

Vítor Fraga, que falava na apresentação do 28.º Congresso Nacional da Hotelaria e Turismo, frisou que o turismo dos Açores "vive um novo momento, um novo período de desenvolvimento”, reafirmando que 2015 foi “o melhor ano de sempre do turismo na Região”.

O titular da pasta do Turismo salientou, no entanto que “tudo isto não deve ser encarado como um ponto de chegada, mas sim como um ponto de partida”.

“Um ponto de partida para nos superarmos diariamente e sermos não só bons, mas efetivamente os melhores numa indústria fortemente competitiva à escala global”, afirmou Vítor Fraga, para quem a Região tem de ter permanentemente “capacidade de inovar, qualificar e modernizar a oferta turística, em geral, e do alojamento turístico, em particular”.

Na sua intervenção, apontou que, ao nível da hotelaria, “há que vender a experiência para além do alojamento, ou seja, uma experiência única, que reflita a essência dos Açores enquanto destino turístico, isto é, claramente identificada com o património natural, edificado e cultural”.

O Secretário Regional relembrou que o principal produto turístico regional é o turismo de natureza, apelando à associação de conceitos da cultura e tradições locais com o conforto que as novas soluções de construção e arquitetura permitem, e que obedeçam aos padrões internacionais de construções 'verdes'.

“No fundo, criar um conceito açoriano de 'Cool and Cosy', em que o visitante se encontre envolvido num ambiente único, capaz de o surpreender permanentemente e de lhe despertar o desejo de cá voltar”, afirmou, garantindo que os empresários “podem contar com o Governo dos Açores, que está, como sempre esteve e estará, ao seu lado para ultrapassar e vencer todos os desafios com que se deparem”.

“Os nossos empresários sabem que não estão sozinhos”, frisou, realçando a dinâmica efetiva entre setor privado e Governo, num claro alinhamento de objetivos estratégicos, dando como exemplo o facto de a Região possuir “o mais generoso, abrangente e intenso sistema de incentivos, que tem como principal objetivo, para além de captar novos investimentos, contribuir para a requalificação da oferta existente, enquadrando-a com a estratégia de desenvolvimento e qualificação da oferta turística da Região”.

Vítor Fraga considerou ser “uma honra para os Açores receber um evento com o prestígio deste Congresso Nacional da Hotelaria e Turismo”, destacando que a Região vai continuar a trabalhar para desenvolver este vital setor da economia açoriana, tendo sempre em conta a sustentabilidade económica, ambiental e social.

“Tenho afirmado e insistido na ideia de que o turismo nos Açores só é bom se for efetivamente bom para quem cá vive. É por isso que acredito também que o desenvolvimento deste setor no nosso arquipélago só poderá ser bem feito se continuar a contar, como estou certo que acontecerá, com a participação de todos os parceiros e entidades, públicas e privadas, como é o caso de todos aqueles que a AHP representa”, afirmou Vítor Fraga, que também manifestou o desejo de que este congresso que se vai realizar nos Açores seja “o melhor de sempre que a AHP já realizou”.

Anexos:



GaCS

Museu Carlos Machado promove exposição fotográfica "Paisagens Interiores", nas Sete Cidades, em S. Miguel

A Direção Regional da Cultura, através do Museu Carlos Machado, promove sexta-feira, 29 de julho, pelas 18h30, na Junta de Freguesia das Sete Cidades, em S. Miguel, a abertura da exposição de fotografia “Paisagens Interiores”, de Guillaume Pazat.

Este projeto nasceu a partir da exposição “Para Além da Paisagem”, organizada pela equipa do Património Cultural Imaterial do Museu Carlos Machado, que, no verão passado, esteve patente na Casa do Parque – Lagoa de Sete Cidades, tendo Guillaume Pazat fotografado os 14 protagonistas daquela exposição nos seus ambientes domésticos e em situações da vida quotidiana.

Com esta realização, inserida no projeto “Para Além da Paisagem II - Museu Móvel nas Sete Cidades - um projeto em desenvolvimento”, o Museu Carlos Machado pretende revelar o trabalho fotográfico, artístico e etnográfico de Guillaume Pazat e, sobretudo, homenagear os habitantes da freguesia de Sete Cidades, numa perspetiva de reforço identitário desta comunidade.

Para a realização desta exposição, o Museu Carlos Machado contou com o apoio da Junta de Freguesia das Sete Cidades, Cresaçor, Associação Juventude de Candelária e Delegação de Turismo de São Miguel.

O fotógrafo Guillaume Pazat, de origem francesa, é licenciado em Ciências da Indústria pela Universidade Louis Pasteur, em Estrasburgo, sendo um apaixonado por Portugal e pelos Açores, arquipélago que visita todos os anos desde 1996.

A Direção Regional da Cultura informa que este e outros eventos estão disponíveis para consulta na Agenda Cultural do Portal CulturAçores, no endereço eletrónico www.culturacores.azores.gov.pt.



GaCS

Agenda do Governo Regional dos Açores para 26 e 27 de julho

TERÇA-FEIRA, DIA 26:

ATIVIDADES DO PRESIDENTE DO GOVERNO:

15H00 - O Presidente do Governo, Vasco Cordeiro, preside à cerimónia de apresentação do projeto de construção do Centro Intergeracional dos Arrifes.

Local: EPROSEC, rua Manuel Vieira Gaspar, Freguesia dos Arrifes, Concelho de Ponta Delgada.

ATIVIDADES DOS OUTROS MEMBROS DO GOVERNO:

18H30 - O Secretário Regional da Educação e Cultura, Avelino Meneses, preside à cerimónia de entrega do Prémio Regional de Cinema e Audiovisual Ayres d’Aguiar.

Local: Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Ponta Delgada.

OUTROS AGENDAMENTOS:

10H00 - O Diretor Regional da Habitação, Carlos Faias, está presente na cerimónia de assinatura de um protocolo de cooperação com a Câmara Municipal das Lajes das Flores e a Cáritas para reabilitação de imóveis habitacionais.

Local: Paços do Concelho das Lajes das Flores.

20H00 - O Diretor Regional do Turismo, João Bettencourt, está presente na apresentação do Plano Estratégico e de Marketing para o Turismo dos Açores.

Local: Graciosa Resort & Business Hotel, em Santa Cruz.

QUARTA-FEIRA, DIA 27:

ATIVIDADES DOS MEMBROS DO GOVERNO:

11H00 - O Secretário Regional da Saúde, Luís Cabral, está presente na apresentação do projeto de beneficiação do edifício sede da Unidade de Saúde de Ilha das Flores.

Local: Centro de Saúde de Santa Cruz das Flores.

15H00 - O Secretário Regional da Educação e Cultura, Avelino Meneses, reúne-se com a Direção do Sindicato Democrático dos Professores dos Açores (SDPA).

Local: Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Ponta Delgada.

OUTROS AGENDAMENTOS:

18H30 - O Diretor Regional das Comunidades, Paulo Teves, está presente na apresentação do livro Vertentes das Danças Açorianas – Tradição do Grupo Central de Ilhas.

Local: Biblioteca Pública e Arquivo Regional João José da Graça, na Horta.



GaCS

Museu do Pico acolhe Serão de Viola da Terra

A Direção Regional da Cultura, através do Museu do Pico, promove segunda-feira, 1 de agosto, pelas 21h00, no Museu dos Baleeiros, nas Lajes do Pico, a realização de um Serão de Viola da Terra, com Rafael Carvalho (viola da terra), César Carvalho (violão) e Carolina Constância (violino).

Neste espetáculo, com entrada livre, serão interpretados temas tradicionais de viola da terra, do Pezinho, Balho da Povoação aos Fados Menores, temas originais de Rafael Carvalho e ainda, numa fusão musical, uma alusão à música medieval.

Rafael Carvalho, autor dos álbuns Origens (2012) e Paralelo 38 (2014), estará acompanhado pelo seu irmão, César Carvalho, e pela jovem violinista micaelense, Carolina Constância, contando também com a participação especial do músico e diretor do Museu do Pico, Manuel Costa Jr.


A Direção Regional da Cultura informa que este e outros eventos estão disponíveis para consulta na Agenda Cultural do Portal CulturAçores, no endereço eletrónico www.culturacores.azores.gov.pt.



GaCS

Intervenção do Secretário Regional do Turismo e Transportes

Texto integral da intervenção do Secretário Regional do Turismo e Transportes, Vítor Fraga, proferida hoje, em Ponta Delgada, na apresentação do 28.º Congresso Nacional da Hotelaria e Turismo:

“Em primeiro lugar, quero começar por agradecer à AHP ter aceite o desafio lançado para realizar o seu congresso anual na nossa Região.

É uma decisão que muito nos honra atendendo à importância e dimensão deste evento no contexto do turismo nacional.

Este é um momento de grande significado e que simboliza o reconhecimento da importância crescente que o setor do turismo, em geral, e a Hotelaria, em particular, representa na nossa economia.

Para nós, acolher tão marcante evento é a demonstração clara da afirmação dos Açores como destino turístico único no panorama desta indústria global que é o turismo.

Recentemente o Sr. Presidente da AHP referiu no seu discurso de tomada de posse que “muito se tem falado sobre a importância do turismo, mas poucas vezes se tem a real dimensão do que representa a hotelaria e do seu impacto, direto e indireto, na sociedade portuguesa”.

Ora, nos Açores, tivemos sempre, desde o início da atividade turística, esta real dimensão. Sempre estivemos ao lado dos nossos empresários, tanto nos momentos bons, como nos menos bons, procurando permanentemente encontrar as melhores soluções que contribuíssem para a sustentabilidade económica de todas e de cada uma das nossas unidades hoteleiras.

Sempre entendemos a hotelaria como um elemento fundamental da cadeia de valor do setor do turismo, que se afirma não só pelo seu contributo para a geração de riqueza, como também pela sua capacidade para criar postos de trabalho, assim como contribuinte ativo de desenvolvimento de atividades conexas ao setor.

Desde que o Governo dos Açores definiu o turismo como um setor estratégico para a Região, assumiu que o desenvolvimento do mesmo teria de ser feito numa conjugação plena de esforços entre entidades públicas e privadas.

De facto, é para nós claro que os esforços do Governo dos Açores, em conjunto com os dos nossos empresários, foram, são e serão determinantes para a construção de um verdadeiro destino turístico único, com uma oferta de excelência e fortemente competitivo à escala global. 

Fruto de todo o trabalho conjunto desenvolvido por entidades públicas e privadas, que nos permitiu, nos últimos cerca de quatro anos, adotarmos um posicionamento adequado, incrementarmos os níveis de notoriedade junto dos principais mercados emissores e melhorarmos substancialmente as acessibilidades e mobilidade interna, assistimos a um crescimento notável do setor na nossa Região.

Em todo este processo, permitam-me sublinhar a enorme dinâmica que se tem verificado junto da hotelaria, quer ao nível da qualidade de novos empreendimentos que têm surgido, introduzindo novos conceitos, enquadrados com a matriz do destino, quer ao nível da requalificação da oferta existente.

Este é, assim, o caminho que temos de prosseguir para que, dia após dia, possamos ser um destino mais sustentável e mais competitivo.

Toda esta dinâmica teve um impacto e um efeito estruturante no desenvolvimento do turismo, atendendo ao seu caráter diferenciador na oferta turística.

A hotelaria tem um papel fundamental na qualificação, valorização e diversificação da oferta turística da Região, onde tem de procurar permanentemente responder às expetativas dos segmentos de mercado mais exigentes, satisfazendo assim as necessidades da procura e fortalecendo, ainda mais, a imagem do nosso destino turístico.

Aqui, nos Açores, os nossos empresários sabem que não estão sozinhos, sabem que existe uma dinâmica efetiva entre empresários e Governo, um claro alinhamento de objetivos estratégicos.

Daqui resulta, por exemplo, que possuímos o mais generoso, abrangente e intenso sistema de incentivos, que tem como principal objetivo, para além de captar novos investimentos, contribuir para a requalificação da oferta existente, enquadrando-a com a estratégia de desenvolvimento e qualificação da oferta turística da Região.

O conjunto de investimentos que os Açores têm recebido na área do turismo reflete o bom momento que o setor atravessa, destacando-se as preocupações dos promotores em enquadrar os respetivos projetos na estratégia definida no Plano Estratégico e de Marketing do Turismo dos Açores.

Desta forma, assiste-se a um alinhamento estratégico entre entidades públicas e privadas com vista a alcançarmos permanentemente a sustentabilidade económica, social e ambiental.

O Plano Estratégico e de Marketing do Turismo dos Açores contribui, assim, para a reorganização da promoção turística do arquipélago, bem como para a implementação de estratégias de produto, implicando a revitalização da cultura e dos valores ambientais.

Por outro lado, este documento vem dotar a oferta atual de ferramentas e recursos que captem mais turistas e coloquem o arquipélago no universo dos ‘must visit’ em algumas atividades de turismo ativo e experiencial, tendo como denominador comum a natureza.

Aqui, e destacando os mais emblemáticos, temos os passeios a pé, a observação de cetáceos, o mergulho e o geoturismo, sendo complementares todas as atividades ligadas ao turismo náutico.

O setor do turismo assume-se, assim, cada vez mais como um dos pilares fundamentais para o desenvolvimento da nossa economia, estamos pois convictos de que este contribuirá fortemente para o reforço da sustentabilidade do nosso desenvolvimento empresarial e da estrutura de emprego das nossas ilhas.

De facto, o turismo dos Açores vive um novo momento, um novo período de desenvolvimento, com o ano de 2015 a assumir-se como o melhor ano de sempre do turismo na nossa Região.

As dormidas na hotelaria tradicional passaram de 954.740 em 2012 para 1.272.430 em 2015. São mais 317.690 dormidas.

Em relação aos proveitos totais, passaram de 41,9 milhões de euros em 2012 para 54,3 milhões de euros em 2015, ou seja, tivemos mais 12 milhões de euros a entrar diretamente na nossa economia.

Respondendo ao objetivo estratégico de atenuar o efeito da sazonalidade verificou-se, ainda na hotelaria tradicional, que no inverno IATA 2015/2016 tivemos mais 157.726 dormidas do que em período homólogo de 2012/2013, ou seja, assistimos a um crescimento de 90,1%, fundamental para garantir a sustentabilidade económica das empresas.

Os indicadores mais recentes continuam a demonstrar que estamos numa trajetória de consolidação que visa a sustentabilidade do setor.

Efetivamente, o crescimento de 36,0% verificado nas dormidas de janeiro a maio de 2016, um crescimento três vezes superior à média nacional, é um claro indicador desta situação, assim como os mais cerca de 5,5 milhões de euros que entraram na nossa economia por esta via.

Tal como já tive oportunidade de referir, estes resultados só são possíveis face ao trabalho conjunto desenvolvido por entidades públicas e entidades privadas.

Nomeadamente, no reposicionamento do destino, no incremento dos níveis de notoriedade junto dos principais mercados emissores, da qualificação da oferta e da melhoria das acessibilidades e mobilidade interna, obtidas com a definição de um novo modelo de acessibilidades, com a revisão das OSP aéreas interilhas e com a definição de OSP para o transporte marítimo de passageiros e viaturas em todas as ilhas da nossa Região.

No entanto, tudo isto não deve ser encarado como um ponto de chegada, mas sim como um ponto de partida.

Um ponto de partida para nos superarmos diariamente e sermos não só bons, mas efetivamente os melhores numa indústria fortemente competitiva à escala global.

Para que tenhamos permanentemente a capacidade de inovar, qualificar e modernizar a nossa oferta turística em geral e do alojamento turístico, em particular.

Ao nível da hotelaria, há que vender a experiência para além do alojamento, ou seja, uma experiência única que reflita a essência dos Açores enquanto destino turístico, isto é, claramente identificada com o nosso património natural, edificado e cultural.

Somos um destino cujo principal produto turístico é o turismo de natureza e onde se pretende ao nível do alojamento ter associados conceitos da cultura e tradições locais, com o conforto que as novas soluções de construção e arquitetura permitem e que obedeçam aos padrões internacionais de construções 'verdes'.

No fundo, criar um conceito açoriano de 'Cool and Cosy', em que o visitante se encontre envolvido num ambiente único, capaz de o surpreender permanentemente e de lhe despertar o desejo permanente de cá voltar.

Para tal, os nossos empresários sabem que podem contar com o Governo dos Açores, que está, como sempre esteve e estará, ao seu lado para ultrapassar e vencer todos os desafios com que se deparem.

É, pois, uma honra para os Açores receber um evento com o prestígio deste Congresso Nacional da Hotelaria e Turismo.

Tal como já tive oportunidade de referir, nos últimos anos desenvolvemos e implementámos nos Açores um conjunto de medidas estruturais que hoje permitem termos um setor do turismo caraterizado por uma enorme dinâmica e gerador de grande confiança junto dos nossos empresários.

Nos Açores, continuaremos a trabalhar para desenvolver este setor tão importante para a economia açoriana, tendo sempre em conta a sustentabilidade económica, a sustentabilidade ambiental e a sustentabilidade social da Região.

Tenho afirmado e insistido na ideia de que o turismo nos Açores só é bom se for efetivamente bom para quem cá vive.

É por isso que acredito também que o desenvolvimento deste setor no nosso arquipélago só poderá ser bem feito se continuar a contar, como estou certo que acontecerá, com a participação de todos os parceiros e entidades, públicas e privadas, como é o caso de todos aqueles que a AHP representa.

Estamos à vossa espera, com a certeza de que o 28.º Congresso Nacional da Hotelaria e Turismo será um dos melhores, senão mesmo o melhor de sempre que a AHP já realizou.

Podem contar connosco, como nós temos sempre contado com a AHP nesta trajetória de desenvolvimento do setor na Região.

Para terminar, apenas uma palavra de reconhecimento ao Eng.º Luís Veiga, pelo empenho que colocou na concretização deste congresso na nossa Região.

Certamente na altura em que o congresso se realizará haverá oportunidade para o referir novamente, mas nunca é demais.

Quero também agradecer a todos os membros da direção a confiança que depositaram na realização deste evento na nossa Região.

Da parte do Governo dos Açores, à semelhança de outras entidades que aqui estão representadas, sabem que têm parceiros com os quais podem contar para concretizar este que será certamente um congresso que se espera que seja memorável na história da AHP.

Muito obrigado a todos!”



GaCS