sexta-feira, 22 de Agosto de 2014

Agenda do Governo Regional dos Açores para 23 e 24 de agosto

SÁBADO, DIA 23:

ATIVIDADES DOS MEMBROS DO GOVERNO:

21H30 - O Secretário Regional do Turismo e Transportes, Vítor Fraga, está presente no encerramento do 20.º Festival de Parapente dos Açores

Local: Royal Garden Hotel, em Ponta Delgada

OUTROS AGENDAMENTOS:

09H30 - O Diretor Regional das Comunidades, Paulo Teves, participa, nos Estados Unidos da América, no cortejo do Bodo do Leite e no Desfile Etnográfico das Festas do Divino Espírito Santo da Nova Inglaterra.

Local: Portas da Cidade de Fall River.

NOTA: indica-se a hora local, menos quatro do que nos Açores.

DOMINGO, DIA 24:

12H00 - O Diretor Regional das Comunidades, Paulo Teves, participa, nos Estados Unidos da América, na Missa Solene de Coroação das Festas do Divino Espírito Santo de Nova Inglaterra.

14H00 - O Diretor Regional das Comunidades, Paulo Teves, participa, nos Estados Unidos da América, na Procissão de Coroação das Festas do Divino Espírito Santo de Nova Inglaterra.

Local: Igreja de Santana, South Main Street, em Fall River.

NOTA: indica-se a hora local, menos quatro do que nos Açores.




GaCS

Mostra LABJOVEM 2014 arranca a 29 de agosto na Terceira e vai, pela primeira vez, a Lisboa

A Mostra LABJOVEM arranca a 29 de agosto na ilha Terceira, apresentando 38 trabalhos selecionados no 4.º Concurso LABJOVEM – Jovens Criadores dos Açores, uma iniciativa do Governo, através da Direção Regional da Juventude, que visa promover jovens criadores açorianos.

Os trabalhos integrados nesta mostra, que estará inicialmente patente na Academia de Juventude e das Artes da Ilha Terceira, na Praia da Vitória, integram as áreas da arquitetura, artes plásticas, artes cénicas, design de moda, design gráfico, fotografia, ilustração e banda desenhada, literatura, música e vídeo.

A Mostra LABJOVEM apresenta-se em formato itinerante e pretende difundir o trabalho dos jovens criadores de forma continuada.

O programa, para além das exposições de arquitetura, artes plásticas, design de moda, design gráfico, fotografia, ilustração e banda desenhada, inclui a apresentação de espetáculos nas áreas de artes cénicas e música, a apresentação de mostras de vídeo, a publicação de obras literárias e a elaboração de um catálogo geral dos projetos selecionados.

Este é o primeiro ano que a mostra sai do arquipélago, rumo ao continente. Depois da Terceira, São Miguel e Faial, a Mostra LABJOVEM segue para a LX Factory, em Lisboa, onde vai permanecer durante todo o mês de novembro.

O Concurso LABJOVEM – Jovens Criadores dos Açores, organizado pela Associação Cultural Burra de Milho, visa incentivar e promover os jovens criadores das diferentes áreas artísticas, servindo de plataforma a uma nova geração de artistas açorianos.

Entre os 38 trabalhos selecionados para integrar a mostra deste ano, 20 são de São Miguel, oito do Faial, oito da Terceira e dois do Pico.



GaCS

Vítor Fraga destaca benefícios da promoção concertada de eventos que se realizam nos Açores

O Secretário Regional do Turismo e Transportes destacou, em Santa Maria, a importância da promoção concertada de eventos para a captação de fluxos turísticos para a Região, salientando que esta aposta, assumida há cerca de um ano, já tem apresentado resultados.

Vítor Fraga, que falava quinta-feira à noite na abertura do 30.º Festival Maré de Agosto, revelou que, fruto desta estratégia, aumentou em 23% o número de passageiros transportados este ano para Santa Maria, pela SATA e pela Atlânticoline, por ocasião da realização deste festival.

“Isto não surge por acaso, surge sim pelo trabalho feito ao nível da promoção e da organização”, frisou o titular da pasta do Turismo, recordando que estes eventos fazem sentido numa ótica de política de turismo se forem devidamente divulgados e trouxerem efetivamente fluxos turísticos para a Região.

O Secretário Regional recordou ter anunciado, na abertura do Festival Maré de Agosto de 2013, que o Turismo dos Açores iria promover de uma forma concertada junto dos mercados emissores os principais eventos que se realizam na Região, apontando este festival como um exemplo dessa estratégia.

“Esse trabalho de promoção surge porque a Maré de Agosto tem todas as condições para isso, sendo um ponto de referência e um elemento valorizador da oferta turística, uma referência em festivais nacionais e internacionais e um fator significativo na captação de fluxos, além de contribuir para dinamizar a economia local, um dos objetivos da nossa política do turismo", afirmou Vítor Fraga, defendendo que ”a Região promove-se destacando as particularidades do que de melhor existe em cada uma das ilhas”.

Na sua intervenção, Vítor Fraga salientou ainda a importância do novo modelo que vai reger as acessibilidades para a Região, resultante da alteração das obrigações de serviço público no transporte aéreo, que se assume como um importante elemento para a captação de fluxos turísticos.

“A partir do próximo verão IATA teremos uma nova realidade”, afirmou o Secretário Regional, alertando, no entanto, que os novos desafios que se colocam devem ser encarados “como uma oportunidade para incrementar o fluxo turístico” em todas as nove ilhas dos Açores.

“Demos um passo muito importante numa das nossas prioridades, mas é preciso estar atento e concretizar, da parte de todos, as medidas efetivas que potenciem o aproveitamento deste novo paradigma ao nível das acessibilidade”, acrescentou Vítor Fraga.

 O Secretário Regional referiu que cabe às entidades, públicas, mas também às privadas, utilizar as novas tecnologias, que permitem atingir novos segmentos de mercado, frisando que “passamos agora a ter condições para captar esses fluxos, que contribuem de forma determinante para reduzir os efeitos da sazonalidade”.

Nesse sentido, destacou o potencial turístico de Santa Maria, que viu aumentar, entre janeiro e junho deste ano, o número de passageiros em 56%, e verá as suas ligações semanais a Lisboa duplicadas com o novo modelo de transporte aéreo.


Anexos:

GaCS

Governo dos Açores assinala 70.º aniversário da primeira edição do romance "Mau Tempo no Canal"

O Governo dos Açores vai assinalar,  no início de dezembro, na Horta, ilha do Faial, o 70.º aniversário da primeira edição do romance “Mau Tempo no Canal”, de Vitorino Nemésio.

A efeméride será assinalada com a realização de duas conferências por reconhecidos intelectuais portugueses, numa organização da Secretaria Regional da Educação e Cultura, através da Direção Regional da Cultura.

A comemoração incluirá ainda uma exposição, organizada conjuntamente pela Biblioteca Pública e Arquivo Regional João José da Graça e pelo Museu da Horta, e a projeção do filme “Mau tempo no Canal”, realizado por Zeca Medeiros.

Vitorino Nemésio, que nasceu na Praia da Vitória a 19 de dezembro de 1901 e morreu, em Lisboa, a 20 de fevereiro de 1978, tem uma vasta obra literária nas áreas da ficção, romance e poesia, integrando a galeria dos principais vultos da literatura portuguesa.



GaCS

quinta-feira, 21 de Agosto de 2014

Esclarecimento das Secretarias Regionais da Solidariedade Social e da Saúde

Na sequência da notícia divulgada hoje pela Antena 1 sobre pedidos de ajuda à Liga dos Amigos dos Doentes dos Açores, entendem as Secretarias Regionais da Solidariedade Social e da Saúde informar o seguinte:

1 - O Governo Regional preconiza que a promoção do bem estar social é preferencialmente função do Estado, concretizada de forma cooperada e articulada com as organizações do sistema de solidariedade social, priorizando no limite dos seus recursos o apoio às pessoas e às famílias, sobretudo as que vivenciam situações de maior precariedade económica.

2 - Nesse sentido, o Governo Regional dos Açores, através da Secretaria Regional da Solidariedade Social, criou o Fundo Regional de Ação Social que se constitui como um mecanismo de apoio às famílias açorianas e de colaboração com as Instituições Particulares de Solidariedade Social dos Açores, tendo em vista mitigar as desigualdades socioeconómicas potenciadas pela presente conjuntura de crise.

3 - Existem em todas as ilhas Serviços de Ação Social descentralizados que asseguram um trabalho de  proximidade com as populações e respondem de forma célere às situações de maior dificuldade das pessoas e famílias que recorrem aos serviços ou que são para eles encaminhadas pela Rede de Instituições de Solidariedade Social.

4 - O Governo dos Açores, para garantir maior proximidade às famílias açorianas, designadamente da ilha Terceira, promoveu um protocolo de cooperação financeira entre o Instituto de Segurança Social dos Açores e a Liga dos Amigos dos Doentes dos Açores que, para além de prever maior articulação e encaminhamento entre as duas entidades, se destina ao financiamento dos apoios atribuídos por esta instituição.

5 - A Portaria 66/2010, de 30 de Junho, que enquadra o regulamento da deslocação de doentes, no seu artigo 27.º prevê a atribuição de uma majoração a doentes deslocados em situação de precariedade económica ao abrigo da qual são atribuídos anualmente cerca de 168 mil euros.

6 - A Segurança Social atribui mensalmente uma média de 155 mil euros a agregados familiares da Região Autónoma dos Açores com reduzidos recursos.
  
7 - Estes apoios, para além de se destinarem à comparticipação de despesas com a alimentação ou habitação (gás, luz e água), permitem também fazer face a despesas com medicamentos ou ajudas técnicas.

8 - A Segurança Social atribui também, anualmente, cerca de 1,3 milhões de euros para comparticipação da aquisição de medicamentos por idosos, através do programa COMPAMID.



GaCS

Açores valorizaram mais de 23% dos resíduos sólidos urbanos produzidos em 2013, revela Hernâni Jorge

O Diretor Regional do Ambiente revelou hoje, na Horta, que a implementação da política de gestão de resíduos do Governo dos Açores permitiu, em 2013, a valorização de mais de 23 por cento dos resíduos sólidos urbanos produzidos no arquipélago, contra pouco mais de 14% no ano anterior.

Hernâni Jorge salientou que foram valorizadas cerca de 25 mil toneladas, o que permitiu atingir uma “taxa de valorização na Região de 23,03%”, acrescentando que “os normativos comunitários e regionais impõem que, até 2020, esta taxa atinja os 50%”, valor estimado próximo das 54 mil toneladas.

Para o Diretor Regional do Ambiente, que falava aos jornalistas numa conferência de imprensa para apresentação do relatório relativo a 2013 do Sistema Regional de Informação sobre Resíduos (SRIR), que considerou ser uma ferramenta estratégica para a gestão da informação no âmbito do planeamento em matéria de resíduos, estes resultados positivos estão associados à entrada em funcionamento dos primeiros Centros de Processamento de Resíduos (CPR) projetados pelo Governo dos Açores.

Nas ilhas das Flores e Graciosa, que lideram os 'rankings' da gestão de resíduos de embalagem da Sociedade Ponto Verde, a valorização “superou largamente o encaminhamento para eliminação”, afirmou Hernâni Jorge, prevendo-se que noutras ilhas, “ainda à espera da entrada em funcionamento de alguns investimentos já realizados e da concretização de outros”, nomeadamente os eco-parques de S. Miguel e da Terceira, a percentagem de eliminação se inverta positivamente.

Atualmente, o CPR de São Jorge, já concluído, aguarda o visto do Tribunal de Contas para o concessionário poder iniciar a operação, e o do Pico aguarda decisão do Tribunal Central Administrativo relativamente a um recurso apresentado por um dos concorrentes à exploração.

Na ilha do Corvo, a exploração vai ser retomada, tendo-se concluído a colocação da cobertura danificada por intempéries, enquanto no Faial estão a ser ultimados os termos da exploração com a Câmara Municipal da Horta.

Em Santa Maria, verifica-se um atraso na conclusão da obra do CPR, por motivos exclusivamente imputáveis ao empreiteiro.

Hernâni Jorge recordou ainda os processos de selagem de aterros que, paralelamente, estão a ocorrer em seis das nove ilhas dos Açores e representam um investimento público global de cerca de cinco milhões de euros.

A plataforma informática do SRIR reúne toda a informação relativa à produção e gestão de resíduos nos Açores, bem como das entidades que operam no setor.

O documento é composto por um relatório de síntese (regional) e relatório individualizados por cada uma das ilhas.

Todas as peças do relatório poderão ser consultadas até ao final da semana no endereço eletrónico


Anexos:
2014.08.21-DRA-RelatórioSRIR.mp3

GaCS

Agenda do Governo Regional dos Açores para 22 e 23 de agosto

SEXTA-FEIRA, DIA 22:

ATIVIDADES DOS MEMBROS DO GOVERNO:

17H30 - O Secretário Regional do Turismo e Transportes, Vítor Fraga, está presente, em representação do Presidente do Governo, no encerramento do 6.º Colóquio Património do Cabo Submarino.

Local: Biblioteca Pública e Arquivo Regional João José da Graça, na Horta.

OUTROS AGENDAMENTOS:

19H00 - O Diretor Regional das Comunidades, Paulo Teves, está presente, nos Estados Unidos da América, na cerimónia da bênção das pensões das Festas do Divino Espírito Santo da Nova Inglaterra.

Local: Kennedy Park, em Fall River.

NOTA: indica-se a hora local, menos quatro do que nos Açores.

SÁBADO, DIA 23:

09H30 - O Diretor Regional das Comunidades, Paulo Teves, participa, nos Estados Unidos da América, no cortejo do Bodo do Leite e no Desfile Etnográfico das Festas do Divino Espírito Santo da Nova Inglaterra.

Local: Portas da Cidade de Fall River.

NOTA: indica-se a hora local, menos quatro do que nos Açores.



GaCS

Governo Regional vai continuar a apoiar os jovens artistas açorianos, assegura Isabel Rodrigues

A Secretária Regional Adjunta da Presidência para os Assuntos Parlamentares afirmou hoje que a quarta edição do Concurso Labjovem “confirma o acerto da aposta do Governo Regional e a importância que esta iniciativa reveste para a divulgação dos jovens artistas açorianos”.

“É um projeto que deve continuar a ser acarinhado e, se possível, reforçado”, frisou Isabel Rodrigues, no final de uma visita à Associação Cultural Burra de Milho, em Angra do Heroísmo.

A Secretária Regional enalteceu o trabalho da associação na organização deste projeto, mediante protocolo com o Governo Regional, e destacou as 188 candidaturas recebidas nesta edição, que demonstram “o dinamismo e a criatividade dos jovens açorianos”.

Isabel Rodrigues aproveitou a visita para acompanhar os preparativos da Mostra Labjovem, que arranca a 29 de agosto, na Academia da Juventude e das Artes da Ilha Terceira, e vai pela primeira vez a Lisboa, onde estará patente na LX Factory, durante o mês de novembro.

“A ida da Mostra a Lisboa vem comprovar a pertinência do LabJovem enquanto projeto de afirmação dos jovens artistas açorianos nos Açores e fora dos Açores”, salientou.

A Mostra Labjovem, depois da ilha Terceira, estará em Ponta Delgada durante o mês de setembro, no Ateneu Criativo, com a componente expositiva, e no Teatro Micaelense, com a mostra de vídeos, seguindo depois para Lisboa e, mais tarde,  para o Faial.

“O Governo Regional continuará a promover esta iniciativa, incentivando e apoiando a criatividade dos jovens açorianos, e contribuindo tanto quanto possível para a divulgação dos seus trabalhos”, frisou a Secretária Regional.


Anexos:


GaCS

Concurso para empreitada de reabilitação da Casa do Trabalho do Nordeste - Lar de Crianças e Jovens e Creche foi publicado no Diário da República

O anúncio do concurso público para as obras de reabilitação do edifício da Casa do Trabalho do Nordeste - Lar de Crianças e Jovens e Creche, em São Miguel, foi publicado em Diário da República, pelo preço base de 442.600 euros.

Esta empreitada, que está inscrita na Carta Regional de Obras Públicas, é financiada pelo Governo dos Açores, através da Secretaria Regional da Solidariedade Social.

A obra de reabilitação inclui a realização de obras para adaptação de um piso a creche, com capacidade para acolher 23 crianças, bem com a realização de intervenções várias ao nível da reparação, remodelação e beneficiação do edifício da Casa do Trabalho do Nordeste.

Com esta iniciativa, o Governo dos Açores reforça a oferta existente ao nível dos equipamentos na área da infância e melhora a cobertura territorial das respostas sociais na Região.



GaCS

Vasco Cordeiro destaca mais consultas e cirurgias feitas em 2013 nos hospitais dos Açores

O Presidente do Governo, Vasco Cordeiro, afirmou hoje que os Açorianos se podem orgulhar do Serviço Regional de Saúde, destacando que foram feitas mais consultas e mais cirurgias nos hospitais dos Açores em 2013, e anunciou que a segunda fase da remodelação e ampliação do Hospital da Horta deve avançar no segundo semestre de 2015, conforme está previsto na Carta Regional das Obras Públicas.

“Esta segunda fase inclui a construção de uma nova Unidade de Cuidados Intensivos, a ampliação dos Serviços de Urgência, do Serviço de Diálise e da Consulta Externa, assim como o realojamento do Serviço de Medicina Hiperbárica, espaços considerados essenciais na evolução das capacidades e operacionalidade deste hospital”, afirmou Vasco Cordeiro.

No âmbito deste processo, segundo o Presidente do Governo, os Serviços do Centro de Saúde da Horta vão passar para o novo edifício, garantindo, desta forma, “melhores condições de funcionamento e uma interação efetiva entre os cuidados de saúde primários e os cuidados hospitalares”.

Vasco Cordeiro falava na inauguração do novo Bloco C do Hospital da Horta, que considerou ser “mais uma infraestrutura, moderna e funcional” colocada ao serviço dos Açorianos, num investimento de cerca de 14 milhões de euros que permitiu melhorar as condições de funcionamento dos Serviços de Obstetrícia e de Ginecologia, Bloco de Partos, Serviço de Pediatria, Serviço de Fisiatria e Serviço de Sangue, mas também das consultas externas de Oftalmologia e Otorrinolaringologia, serviço social, serviço de informática e serviços administrativos.

Na sua intervenção, o Presidente do Governo anunciou também a contratação, no próximo mês, de mais dois ortopedistas para o Hospital da Horta, o que permitirá que esta unidade de saúde, no prazo máximo de um ano, esteja em condições de dar resposta a todas as cirurgias que, neste momento, se encontram em lista de espera nesta especialidade.

“Ao mesmo tempo, também já trabalhamos para assegurar a substituição dos médicos que estão próximos da idade da reforma, por exemplo, nas áreas da Cardiologia, da Oncologia e da Imunohemoterapia”, acrescentou, frisando que estas medidas se inserem no objetivo de aperfeiçoar o Sistema Regional de Saúde, preparando-o para as próximas décadas.

No âmbito do Plano de Ação para a Reestruturação da Saúde, Vasco Cordeiro assegurou que o Governo está “determinado a introduzir mecanismos que garantam o correto funcionamento de cada hospital e de cada unidade de saúde, com o objetivo de assegurar um real aumento de consultas, de exames e de cirurgias”.

A melhoria da interação entre os cuidados de saúde primários e os serviços hospitalares e a promoção de uma maior cultura de eficiência e humanismo são outros dos objetivos a atingir, salientando Vasco Cordeiro que “já são visíveis resultados, designadamente no aumento de produtividade dos hospitais e das unidades de saúde”.

“Dados agora conhecidos mostram que, de 2012 para 2013, o número de consultas nos três hospitais da Região registou um aumento de cerca de 13%”, revelou o Presidente do Governo, acrescentando que “o número de cirurgias realizadas nos hospitais dos Açores registou também um crescimento significativo de quase 20% entre 2012 e 2013”.

“Estes dados são muito mais do que meras estatísticas. Refletem o número de Açorianos que receberam cuidados no seu Serviço Regional de Saúde e representam o esforço e a dedicação de milhares de profissionais de várias áreas”, afirmou.

Na sua intervenção, Vasco Cordeiro destacou também as novas regras para as convenções e reembolsos, frisando que, “ao contrário da ideia que alguns têm procurado passar, não são soluções de corte, de redução, os números bem o demonstram, são, sim, soluções de melhor adequação às necessidades, reforçando a disponibilidade dos serviços públicos, mas mantendo a atividade complementar dos serviços privados de saúde”.

Relativamente às listas de espera para cirurgia, assegurou que “o Governo dos Açores está atento e a atuar”, recordando a redução, desde o início do ano, para cerca de metade na lista de espera em Ortopedia no Hospital da Horta, assim como as medidas que se estão a tomar neste domínio nos hospitais de Ponta Delgada e da Terceira.

“Hoje podemos afirmar que o esforço que tem sido feito no sentido de garantir a sustentabilidade do Serviço Regional de Saúde não tem sido em vão e permitiu não só criar condições para servir melhor os Açorianos, mas também sermos nós, Açorianos, a decidir sobre a organização dos serviços”, frisou Vasco Cordeiro.

“Essa prerrogativa, que o Governo dos Açores fez sempre questão de defender, mesmo quando outros pretendiam que Lisboa procedesse a uma espécie de resgate do nosso Serviço Regional de Saúde, é condição absolutamente fundamental para que a Região continue a decidir a forma de ultrapassar os desafios que se colocam a este setor”, acrescentou.

Para Vasco Cordeiro, “o resultado de termos um bom Serviço Regional de Saúde, um Serviço Regional de Saúde de que os Açorianos podem e devem orgulhar-se, não se deve apenas às medidas e aos investimentos realizados pelo Governo dos Açores. Deve-se também ao trabalho, à dedicação, ao empenho e ao profissionalismo de que dão provas todos os envolvidos: dirigentes, conselhos de administração dos Hospitais, diretores de serviços, médicos, enfermeiros e funcionários, no sentido de darmos uma resposta cada vez melhor às Açorianas e Açorianos que dependem dessa intervenção”.

“O caminho que temos feito e os resultados que temos alcançado são bem a prova de que devemos continuar. Não ignorando o caminho que ainda temos que fazer, não ignorando os desafios que temos à nossa frente, não ignorando as áreas em que ainda temos de fazer mais e melhor, mas com a consciência de que com persistência, trabalho e determinação conseguiremos, também aqui, ganhar o futuro para os Açores”, afirmou o Presidente do Governo.



Anexos:






GaCS

Intervenção do Presidente do Governo

Texto integral da intervenção do Presidente do Governo, Vasco Cordeiro, proferida hoje na inauguração do novo Bloco C do Hospital da Horta:

“Permitam-me que, nestas minhas primeiras palavras, vos transmita o gosto que tenho em, como Presidente do Governo dos Açores, presidir a esta cerimónia que marca oficialmente a conclusão e a entrada em funcionamento desta importante obra de remodelação e ampliação do Hospital da Horta.

Não se trata apenas do cumprimento de um compromisso.

Não se trata só da conclusão de uma importante empreitada de obras públicas.

Trata-se, - é assim que também gosto de considerá-la -, como mais uma infraestrutura, moderna e funcional, que é colocada ao serviço de todos aqueles que necessitem de recorrer a este hospital e que, ao mesmo tempo, vem garantir melhores condições de trabalho aos profissionais que nela desenvolvem a sua ação em benefício da saúde dos Açorianos.

Com um investimento de cerca de 14 milhões de euros, o novo Hospital que resulta desta intervenção vê reforçadas as condições para que, com toda a segurança e eficiência, possam funcionar e servir os Açorianos que deles precisem e a eles aqui recorram, sobretudo os Serviços de Obstetrícia e de Ginecologia, o Bloco de Partos, o Serviço de Pediatria, o Serviço de Fisiatria, o Serviço de Sangue, as consultas externas de Oftalmologia e Otorrinolaringologia, o serviço social, o serviço de informática e os serviços administrativos.

Este objetivo de melhoria de condições de funcionamento de serviços e da sua disponibilização às Açorianas e Açorianos que deles necessitem é o objetivo que norteou o Governo dos Açores nesta intervenção, da mesma forma que orienta a ação do nosso Governo num conjunto de outras intervenções que estão a decorrer noutras ilhas da nossa Região.

Podemos, a este propósito, referir os casos do novo Centro de Saúde da Madalena, na vizinha ilha do Pico, e também, para apenas citar alguns, as intervenções recentemente concluídas no Centro de Saúde de Vila do Porto e, no que se refere às que neste momento ainda decorrem, a construção do novo Centro de Saúde de Ponta Delgada ou as obras no Solar da Glória, também na ilha de S. Miguel, que será direcionado para uma unidade de tratamento de dependências e comportamentos aditivos.

Mas, mesmo aqui, no que respeita ao Hospital da Horta, é este mesmo objetivo que, num processo devidamente planeado e calendarizado, leva a que hoje possa anunciar que o Governo está já a desenvolver os trabalhos preparatórios para que, no segundo semestre do próximo ano, e cumprindo o que está previsto na Carta Regional das Obras Públicas, avancemos com a segunda fase de intervenção para a melhoria das condições disponibilizadas aos faialenses e a todos aqueles que recorrem a estas instalações de prestação de cuidados de saúde.

Esta segunda fase inclui a construção de uma nova Unidade de Cuidados Intensivos, a ampliação dos Serviços de Urgência, do Serviço de Diálise e da Consulta Externa, assim como o realojamento do Serviço de Medicina Hiperbárica, espaços considerados essenciais na evolução das capacidades e operacionalidade deste hospital.

No âmbito deste processo, está em fase de adaptação do projeto a passagem dos Serviços do Centro de Saúde da Horta também para a nova ala a construir neste edifício.

Com esta transição, garantem-se melhores condições de funcionamento e uma interação efetiva entre os cuidados de saúde primários e os cuidados hospitalares, com grandes vantagens para os utentes e para um processo contínuo de melhoria das condições de prestação de cuidados de saúde.

No entanto, tudo isto é feito a par de uma atenção e de um cuidado especiais quanto à capacidade do nosso Serviço Regional de Saúde servir cada vez melhor as Açorianas e os Açorianos.

O caso do Hospital da Horta, com cerca de três dezenas de médicos, perto de 130 enfermeiros e de 40 Técnicos de Saúde, que dão resposta a mais de duas dezenas de valências específicas deste hospital, é, aliás, um dos bons exemplos desta dinâmica e deste trajeto de melhoria e de procura contínuas de reforço da capacidade da Região prover às necessidades dos Açorianos.

Os dados estatísticos são bem elucidativos: em 2013, o Hospital da Horta realizou cerca de 44 mil consultas e mais de 2.500 cirurgias, o que representa um crescimento de cerca de 10% e 15%, respetivamente, em comparação com 2012.

Regista-se, também, um aumento da atividade assistencial que se deve à criação do Hospital de Dia de Aditologia e à consolidação do Hospital de Dia de Pediatria.

A complementar este quadro, posso ainda anunciar que a Secretaria Regional da Saúde, em articulação com o Conselho de Administração do Hospital da Horta, está a terminar o processo de contratação de dois ortopedistas.

Concretizada esta negociação, que, estimamos, ocorra no próximo mês de setembro, o Hospital da Horta ficará em condições de, no prazo máximo de um ano, dar resposta a todas as cirurgias que, neste momento, se encontram em lista de espera nesta especialidade.

Ao mesmo tempo, também já trabalhamos para assegurar a substituição dos médicos que estão próximos da idade da reforma, por exemplo, nas áreas da Cardiologia, da Oncologia e da Imunohemoterapia.

Também por essa via se aperfeiçoa o nosso Serviço Regional de Saúde, preparando-o para as próximas décadas, uma vez que o Governo considera fundamental garantir condições de trabalho modernas, que assegurem não só as condições necessárias para o desempenho clínico, mas também para uma cada vez maior humanização dos serviços.

O Governo dos Açores, no seguimento do seu compromisso e da concertação desenvolvida com os vários parceiros deste setor, está a implementar o Plano de Ação para a Reestruturação da Saúde.

Nesse âmbito, estamos determinados a introduzir mecanismos que garantam o correto funcionamento de cada hospital e de cada unidade de saúde, com o objetivo de assegurar um real aumento de consultas, de exames e de cirurgias.

Pretende-se, também, uma melhor interação entre os cuidados de saúde primários e os serviços hospitalares para que uma situação detetada por um médico de família no Centro de Saúde tenha o adequado seguimento no Hospital, quando tal for necessário.

É também objetivo do Governo dar uma atenção muito especial à introdução de ações que conduzam a uma maior cultura de eficiência e humanismo, onde os utentes sintam que a relação humana faz parte integrante dos cuidados de saúde prestados.

São exemplos dessas medidas, apenas para citar algumas, a confirmação de consultas no dia anterior, a regulação dos tempos de espera em função da hora indicada para cada consulta, a marcação de consultas pela Linha de Saúde e a realização regular de inquéritos de satisfação.

Por outras palavras, pretende-se que, com a introdução dessas medidas, as Açorianas e os Açorianos, quando tiverem de recorrer aos serviços de saúde, tenham uma real perceção das mudanças que se estão a efetuar em seu benefício.

Já hoje são visíveis resultados, designadamente no aumento de produtividade dos hospitais e das unidades de saúde.

Já foram referidos números relativos ao Hospital da Horta, mas dados agora conhecidos mostram que, de 2012 para 2013, o número de consultas nos três hospitais da Região registou um aumento de cerca de 13%. Se considerarmos os últimos cinco anos, o aumento foi de cerca de 36%.

O número de cirurgias realizadas nos hospitais dos Açores registou também um crescimento significativo de quase 20% entre 2012 e 2013.

Também no campo da prevenção existem dados que expressam de forma inequívoca a ação dos serviços e dos profissionais de saúde.

É o caso dos programas de prevenção do cancro, desenvolvidos pelo Centro de Oncologia dos Açores, que já atingiram 80 mil rastreios e que permitem chegar a tempo, em muitos casos, e, por isso, salvar muitas vidas.

Estes dados são muito mais do que meras estatísticas, meras percentagens. Representam sim o esforço e a dedicação de milhares de profissionais de várias áreas e refletem o número de Açorianos que receberam os cuidados no seu Serviço Regional de Saúde.

Foram, também, criadas novas regras para as convenções e para os reembolsos, introduzindo uma componente social e dando autonomia aos hospitais para que possam estabelecer acordos em função das reais necessidades, resolvendo, por essa via, situações em que a reposta se tem mostrado mais difícil.

Ao contrário da ideia que alguns têm procurado passar, não são soluções de corte, de redução, os números bem o demonstram, são, sim, soluções de melhor adequação às necessidades, reforçando a disponibilidade dos serviços públicos, mas mantendo a atividade complementar dos serviços privados de saúde.

O Governo dos Açores está, também, atento e a atuar em situações como a das listas de espera cirúrgicas e determinado na procura de respostas que se revelem consistentes e eficazes.

Aqui mesmo, no Hospital da Horta, esse processo está em curso e, em função de um trabalho de revisão das listas e da realização de cirurgias por dois ortopedistas que se têm deslocado por períodos de duas semanas, já foi possível reduzir a lista de espera, em Ortopedia, para cerca de metade desde o início do ano.

Também estão a ser tomadas medidas nos hospitais da Terceira e de Ponta Delgada.

No Hospital da Terceira, já foram contratados anestesistas e também já se procede à revisão das listas.

No de Ponta Delgada, está em construção uma sala para pequenas cirurgias que permitirá resolver uma grande parte das situações, estando também assente que, ultrapassados os recursos próprios, o hospital recorrerá à contratualização de equipas cirúrgicas.

Esta é a realidade do Serviço Regional de Saúde, que encontra nos seus recursos humanos profissionais de grande qualidade, reconhecidos dentro e fora de portas, que são, afinal, o seu maior ativo.

Hoje podemos afirmar que o esforço que tem sido feito no sentido da garantir a sustentabilidade do Serviço Regional de Saúde não tem sido em vão, e permitiu não só criar condições para servir melhor os Açorianos, mas também sermos nós, Açorianos, a decidir sobre a organização dos serviços.

Essa prerrogativa, que o Governo dos Açores fez sempre questão de defender, mesmo quando outros pretendiam que Lisboa procedesse a uma espécie de resgate do nosso Serviço Regional de Saúde, é condição absolutamente fundamental para que a Região continue a decidir a forma de ultrapassar os desafios que se colocam a este setor.

Apesar do muito trabalho já feito, temos a plena consciência da dimensão dos desafios que temos pela frente, assim como do objetivo central que deve nortear sempre a ação do Governo nesta matéria.

Mas todo este trabalho está a ser desenvolvido, e continuará a sê-lo, com o objetivo de manter e reforçar um facto que não pode ser ignorado por quem quer que seja que se interesse por esta temática: temos, nos Açores, um Serviço Regional de Saúde que pode e deve orgulhar todos os Açorianos.

Temos bons e modernos hospitais e centros de saúde. Temos bons profissionais e profissionais motivados.

O resultado de termos um bom Serviço Regional de Saúde, um Serviço Regional de Saúde de que os Açorianos podem e devem orgulhar-se, não se deve apenas às medidas e aos investimentos realizados pelo Governo dos Açores.

Deve-se, também, ao trabalho, à dedicação, ao empenho e ao profissionalismo de que dão provas todos os envolvidos: dirigentes, conselhos de administração dos Hospitais, diretores de serviços, médicos, enfermeiros e funcionários, no sentido de darmos uma resposta cada vez melhor às Açorianas e Açorianos que dependem dessa intervenção.

O nosso Serviço Regional de Saúde e todas as medidas e políticas desenvolvidas nesta área só se justificam se tiverem como foco um melhor serviço a prestar aos utentes, com garantias de qualidade e de acessibilidade para todos os Açorianos.

O caminho que temos feito e os resultados que temos alcançado são bem a prova de que devemos continuar. Não ignorando o caminho que ainda temos que fazer, não ignorando os desafios que temos à nossa frente, não ignorando as áreas em que ainda temos de fazer mais e melhor, mas com a consciência de que com persistência, trabalho e determinação conseguiremos, também aqui, ganhar o futuro para os Açores”.




GaCS

quarta-feira, 20 de Agosto de 2014

Curso de Escrita e Fotografia de Viagens com Tiago Salazar – 05 de Setembro em Ponta Delgada

Tiago Salazar nasceu em Lisboa, em 1972.

Formou-se em Relações Internacionais e estudou Guionismo e Dramaturgia em Londres. Trabalha como jornalista desde 1991, tendo publicado, entre outros títulos, no Diário de Notícias, Grande
Reportagem, Vogue e na revista Egoísta. Foi vencedor do prémio Jovem Repórter do Centro Nacional de Cultura, em 1995. Em 2010 foi bolseiro da Fundação Luso-Americana, em Washington, ao abrigo da Bolsa José Rodrigues Miguéis. Publicou quatro livros de viagens,Viagens Sentimentais (2007), A Casa do Mundo (2008), As Rotas do Sonho (2010) e Endereço Desconhecido (2011) e o o diário Hei-de Amar-te Mais (2013). Actualmente é cronista da revista Volta ao Mundo, guia de “Viagens Literárias” e formador de Escrita de Viagens. É ainda autor e apresentador do programa «Endereço Desconhecido», em exibição na RTP2.

CURSO DE ESCRITA E FOTOGRAFIA DE VIAGENS

DIA 05 de Setembro das 18 às 21 horas acontece na MORADA DA ESCRITA – CASA ARMANDO CORTÊS RODRIGUES – INSTITUTO CULTURA PONTA DELGADA - Rua José Maria Raposo de Amaral, 101, 9500-078 Ponta Delgada, O CURSO DE ESCRTITA E FOTOGRAFIA DE VIAGENS com o Escritor, Jornalista, Apresentador de TV e Andarilho Tiago Salazar. Nas palavras do autor «Este curso destina-se a toda a classe de viajantes da económica à executiva, dos turistas de sofá aos andarilhos radicais, dos que preferem fazer quilómetros em linhas de papel a embarcar numa estação ou apeadeiro. Basta a vontade de chegar aos outros, e sobretudo a disponibilidade do olhar.»
As inscrições prévias podem ser feitas pelo telefone: 962 234 522
ou no dia do curso, havendo vagas disponíveis.

O PREÇO DO CURSO É DE 25€

Nota Introdutória ou uma carta de marear...
(por Tiago Salazar)

Sobre isto de viajar, devia haver nos boletins de entrada nos países – junto aos quadradinhos de «lazer», «turismo», «contrabando»... – os quadradinhos «unir» e «partilhar». Dito de uma forma mais sentimental: abrir o coração e deixá-lo pensar livremente sobre o que acontece durante a viagem. Antes de Heródoto (o pai dos viajantes da era moderna) viajava-se para fazer guerra ou prolongá-la por outros meios. Hoje viaja-se para pagar (ou esquecer) as guerras por outros meios. 

Diz-se também que quanto mais se viaja, mais se acham as pessoas parecidas. Por exemplo, todos, minhotos ou chineses querem ir de férias, e todos secretamente invejam quem leva uma vida como a minha (um equívoco perdoável, pois nem tudo são nenúfares na vida de um viajante). Neste caso, recomendo que se antecipem aos chineses e reservem já os toldos... imagine-se que um cantão decide fazer férias em Bazaruto ou na ilha da Boavista... Enquanto candidatos a viajantes todos temos um sonho comum que é gozar umas férias merecidas – e que não se use a desculpa da falta de dinheiro, pois há vários vagabundos viajantes de nomeada (Kerouac, Lazarillo de Tormes, Fernão Mendes Pinto, to name a few). 
Há depois a parte metafísica, a iniciação. Uma viagem é sempre uma descoberta. Uma peregrinação. Coisa pessoal. E um caderno de viagens, a escrita de viagens, é sempre um palimpsesto. A escrita de artigos ou narrativas de viagem pode abrir caminhos para os exploradores de papel. Diz-se que antes de deixar Palos, em 1492, Cristóvão Colombo estudou a Bíblia e a Geografia de Ptolomeu. Talvez quem vos leia vá um dia a Bazaruto jogar à bola com o menino Reis-Pedro, ou trepar montanhas com Pavel Rajtar, o alpinista eslovaco que escalou o Evereste com Sir Edmund Hillary. 

Conteúdos do curso

- História abreviada da literatura de viagens 
- Autores portugueses do século XVI aos nossos dias
- Considerações teóricas e técnicas de escrita
- Escrita e Fotografia no terreno 
- As fases da escrita (do bloco de notas até ao livro)
- 1ª linha: uma questão do pensamento-sentimento
- Progressão e desenlace
- O que não é a escrita de viagens
- O improviso é premiado
- Escrita, reescrita e revisão (a arte de contar o que se viveu para contar)
- Os três “tês”: técnica/talento/trabalho
- Problemas, erros, sintaxe
- Recursos (notas bibliográficas, sites, blogues, etc)
- A fotografia de viagem 

Plano 

História da Literatura de Viagens 
(objectivo: divulgação da literatura de viagens

grandes autores do mundo: considerações sobre as obras de Heródoto, Gustav Flaubert, Henry Miller, Lawrence Durrell, Orhan Pamuk, entre outros)

Autores portugueses do século XVI aos nossos dias 

(objectivo: história das grandes narrativas de viagens em língua portuguesa;
considerações sobre as obras de Fernão Mendes Pinto, Ramalho Ortigão, Eça de Queiroz, Raul Brandão, Ferreira de Castro, entre outros)

Considerações técnicas da escrita de viagens
(objectivo: como se escreve um texto de viagens? 
da narrativa à crónica, da reportagem à poesia)

A fotografia de viagem
(objectivo: noções básicas de fotografia de viagens; o retrato; paisagens).

CONTATOS EM PONTA DELGADA:

962 234 522 Eleonora Marino Duarte